Category: Instituto de Humanidades

Aula Aberta discute o Neocolonialismo a partir da obra de Kwame N`Krumah

Kwame é um dos principais ideólogos do Pan-Africanismo e a aula privilegiará a análise da obra “Neocolonialismo – Último Estágio do Imperialismo”.

A disciplina Geopolítica do Poder, do Curso de Sociologia, ministrada pelo professor do Instituto de Humanidades, Sebastião André, realiza, na próxima quinta-feira (21), das 14h às 18h, na Sala 306, Palmares III, uma Aula Aberta sobre o pensamento de Kwame N`Krumah.

A Aula Aberta discutirá o legado teórico de Kwame N`krumah, intelectual africano  e ex-presidente de Gana,  deposto em 1966 através de um golpe de Estado e um dos principais arquitetos do pan-africanismo.

“Conhecedor profundo das causas que impedem o desenvolvimento dos países africanos, Kwame se debruçou sobre o entendimento da lógica que permeia o neocolonialismo no continente africano. Compreendendo o neocolonialismo como um estágio avançado do imperialismo, Kwame aponta como os países desenvolvidos atuam na África de forma a impedir o estabelecimento de governos alinhados com um projeto nacionalista. A Aula Aberta analisará o principal livro de Kwame: “Neocolonialismo – último estágio do imperialismo”, explica Sebastião André.

Nesta sexta (15), Programa Pulsar promove Cine Debate sobre o filme “O menino que descobriu o vento”

Nesta sexta (15), a partir das 14h, no bloco III, sala 301, da Unidade Acadêmica dos Palmares, será exibido o drama que se trata de um jovem de Malawi que se cansou de assistir todos os colegas de seu vilarejo passando por dificuldades e começou a desenvolver uma inovadora turbina de vento.
A atividade de Cine Debate faz parte do Programa Pulsar – Orientação e Acompanhamento Acadêmico, vinculado ao Curso de Humanidades do Instituto de Humanidades (IH) e coordenado pelo professor Jon Anderson Cavalcante. Aos participantes será concedido certificação.

Sobre o filme
William Kamkwamba foi um garoto intelige e autodidata, descobriu, através de um livro de ciências, um método de criar energia eólica com a construção de uma turbina eólica a partir de árvores, peças de bicicleta e material de ferro-velho para salvar sua família diante de uma terrível seca no Maláui, no ano de 2001, de modo a garantir a irrigação das colheitas e a sobrevivência de uma população faminta.
O diretor Chiwetel Ejiofor, indicado ao Oscar por “12 Anos de Escravidão”, faz deste caso real, um exemplo sobre a importância dos estudos, da ecologia, de políticas humanitárias e do senso de comunidade. Desta forma, o garoto é instrumentalizado para caber dentro do formato narrativo e moral de uma fábula.
Ele jamais representa a si mesmo, e sim algo muito maior: a importância das escolas, da união, da luta contra as opressões, do respeito ao próximo etc. Por esta razão, a história se transforma num grande tratado.

1º Intercâmbio Juventudes em movimento nas cidades Brasil e África promove atividades no dia 20

No próximo dia 20 (quarta-feira), a primeira edição do Intercâmbio Juventudes em movimento nas cidades Brasil e África traz, ao público participante, atividades (Painéis e Sarau Artístico) com temas em discussões que envolvam a ocupação criativa dos espaços, levando em conta aspectos políticos, culturais e educacionais, a partir das 14h, na Unidade Acadêmica dos Palmares, em Acarape/CE.
Para o coordenador do Projeto de Extensão “Diálogos Urbanos”, vinculado ao Grupo de Extensão e Pesquisas Urbanas (GIPU), Eduardo Machado, nos últimos anos, “as juventudes vêm constituindo modos inovadores de mobilização, associativismo e atuação política, particularmente nas periferias urbanas de grandes, médias e pequenas cidades, impactando as formas de ocupação, acesso e uso de diferentes espaços urbanos, as estruturas e as dinâmicas urbanas”, explica Eduardo, professor do Instituto de Humanidades e Letras (IHL).
Em destaque está os coletivos de juventudes/culturais e as redes associativas, compondo um mosaico bastante diverso – e que atuam em diferentes dimensões e escalas – de formas de luta e ocupações criativas de espaços públicos, interseccionando, nas lutas por direitos, diferentes linguagens artísticas, demandas e pautas. Ao fazer a cidade, as juventudes tornam-se agentes políticos, reconstituem vínculos sociais e efetivam processos intensos e reiterados de formação das identidades e de aprendizagem coletiva.
Nesse contexto, e considerando as conexões “Unilab-Bom Jardim”, em construção através de um conjunto de parceiros, considerando o caráter internacional, e particularmente a presença de países africanos que compõem a Unilab, pretende-se fomentar discussões que envolvam a ocupação criativa dos espaços, levando em conta aspectos políticos, culturais e educacionais.
O foco é que as próprias juventudes em movimento, inclusos estudantes africanos e brasileiros, que defendem seus direitos de ocupação e produção dos territórios das cidades, possam socializar e discutir experiências, trajetórias, saberes e práticas vivenciadas.

Ciclo Temático de Leituras sobre Juventudes e Políticas Públicas realiza atividade, nesta quinta (14)

A segunda sessão do Ciclo Temático de Leituras sobre Juventudes e Políticas Públicas acontecerá nesta quinta-feira (14), a partir das 14h, no bloco didático do Campus da Liberdade, em Redenção/CE.
A discussão traz a temática “Juventudes e políticas públicas: comentários sobre as concepções sociológicas de juventude”, do professor da Universidade Federal de Alfenas/MG (Unifal-MG), sociólogo e doutor em Ciências Sociais, Luís Antônio Groppo.
Sobre o GERE
O Grupo de Pesquisa e Extensão sobre Relações Étnico-Raciais, Gênero e Educação (GERE), em parceria institucional da Uece/Unilab, é coordenado pela professora do curso de Licenciatura em Sociologia (IH/Unilab), Alda Sousa e da professora do curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual do Ceará (Uece), Michely Peres de Andrade.
O Grupo congrega docentes e discentes das universidades públicas (Unilab e Uece)  interessados em pesquisar e intervir sobre temas relacionados a questão étnico racial e de gênero em espaços de educação formal e não-formal. Inclui-se interlocuções com as metodologias de ensino, o currículoescolar, as artes, a infância, a adolescência e as juventudes. Busca ampliar um diálogo interinstitucional e interdisciplinar, atuando nas seguintes linhas de pesquisa e extensão: Educação, Gênero e Sexualidade; Educação e Relações Étnico-Raciais; Culturas escolares, Juventudes e Ensino Médio.
Outras informações pelo e-mail do GERE ([email protected]).

“Estudar e sentir saudade do meu lugar” é tema da Roda de Conversa do Projeto “Clinica da Saudade”, dia 28

Conversar sobre a Saudade, esta será a temática da atividade de Roda de Conversa promovida pelo Projeto de Extensão “Clinica da Saudade”, na próxima quinta-feira (28), a partir das 15h, na área de convivência do bloco didático do Campus da Liberdade, em Redenção/CE.
O encontro é aberto ao público que discutirá o tema “Estudar e sentir saudade do meu lugar: como equilibrar as emoções?” visando contribuir para a vivência da saudade na dimensão coletiva. A atividade terá grupos de encontros mensais.
O Projeto de Extensão “Clinica da Saudade”, coordenado pela  psicóloga e professora do curso de Pedagogia, vinculado ao Instituto de Humanidades (IH), Fátima Bertini, busca promover um espaço de reflexão entre os discentes da Unilab, cujo tema central consistirá no diálogo coletivo da vivência da saudade.

Curso de Pedagogia da Unilab promove debate, dia 27, sobre “Pretagogia: construindo um referencial teórico-metodológico de matriz africana para a formação de professores”

No próximo dia 27, o Projeto “Em Tese: compartilhando saberes e percursos” promove a segunda atividade do ciclo de apresentações, a partir das 14h30, na Unidade Acadêmica dos Palmares, Bloco 2, 3º andar, sala 304, em Acarape/CE.
A segunda palestra tem a colaboração da professora e coordenadora do Curso de Pedagogia, Geranilde Costa e Silva, com a temática “Pretagogia: construindo um referencial teórico-metodológico de matriz africana para a formação de professores”.
As atividades do curso de Pedagogia, organizadas pelas professoras vinculadas ao Instituto de Humanidades (IH), Carolina Bernardo e Fatima Bertini, fazem parte do ciclo de apresentações que acontecerá durante todo o ano de 2019, mensalmente, nas últimas quarta-feira do mês, no período da tarde, entre os meses de Fevereiro a Dezembro, somando oito encontros de atividades com diferentes convidados e temáticas diversificadas de teses de doutorado e/ou de pós-doutorado dos  docentes do curso.
Acontecem em dois momentos: No primeiro, a exposição do conhecimento produzido nos quatro anos de formação; e no segundo momento, a exposição da trajetória acadêmica, vinculando assim, ensino e pesquisa e proporcionando a integração entre o corpo colegiado no entendimento de suas linhas de pesquisas.
O Projeto Em Tese busca promover entre docentes e discentes uma discussão formativa sobre pesquisa, pesquisa em educação, metodologia de pesquisa em educação, produção de conhecimento e percursos acadêmicos-científicos.
Um momento de diálogo entre pesquisadores e com a audiência de estudantes interessados e/ou curiosos pela carreira acadêmica ou para compreender os caminhos da produção  de conhecimento pelo quais seus professores passaram para a construção de uma vida acadêmica.
Essa atividade se constitui pela apresentação A ideia do projeto surgiu em reunião de planejamento a partir da necessidade de atender uma série de demandas da formação dos estudantes em curso. Futuras e futuros professores/pesquisadores frente aos seus projetos de TCC´S.

PROJETO EM TESE 2019 – CURSO DE PEDAGOGIA – DATAS

Data

Professora/Professor

Tese

27/02/2019

Lucilene Rezende Alcanfor

Professor Thomaz Galhardo: produção, circulação e práticas de alfabetização e leitura – Séculos XIX e XX

27/03/2019

Geranilde Costa e Silva

Pretagogia: construindo um referencial teórico-metodológico de matriz africana para a formação de professores.

26/06/2019

Linconly Jesus Alencar Pereira

SEMEANDO POSSIBILIDADE NO SEMIÁRIDO POTIGUAR: a construção de um projeto contra hegemônico a partir da Educação Contextualizada para a convivência com o Semiárido desenvolvida pela LEDOC – UFERSA

31/07/2019

Luís Carlos Ferreira

A Educação Profissional de Nível Médio no contexto da hegemonia política presente no CEE RJ: contradições e controvérsias entre as autorizações dos cursos técnicos da saúde e os programas de formação dos trabalhadores do SUS.

28.08.2019

Jacqueline Da Silva Costa

Cor e Ensino Superior: trajetórias e identidades de estudantes negros da universidade do estado de Mato Grosso – UNEMAT

30.10.2019

Luis Eduardo Torres Bedoya

A força emancipadora da espiritualidade e da mística no MST: experiências formadoras na vida dos/as militantes e poder catalisador do movimento

22.11.2019

Fátima Maria Araújo Bertini

Mudanças urbanas e afetos: estudo de uma cidade planejada

18.12.2019

Joana D Arc De Sousa Lima

Cartografias das artes plásticas no Recife dos anos 1980: Deslocamentos poéticos entre a tradições e o novo

Segundo uma das coordenadoras do projeto, “buscamos contribuir para nossa qualificação acadêmica, compreensão das produções de conhecimentos dos professores e melhoria nos resultados das produções de monografia ou demais escritos de nossos estudantes”, esclarece Fátima Bertini

Divulgado edital para ingresso nas terminalidades do Curso de Humanidades, período 2019.1

O edital para ingresso nas terminalidades do Curso de Humanidades da Unilab, período 2019.1, foi divulgado nesta quinta-feira (28). 

O processo seletivo é destinado aos estudantes egressos do Curso de Humanidades da Unilab, com colação de grau prevista para abril deste ano. Os candidatos devem inscrever-se exclusivamente por via eletrônica, com requerimento feito através do e-mail [email protected], assim como também o preenchimento do formulário eletrônico no endereço http://www.unilab.edu.br/terminalidades no período de 7 a 16 de março de 2019. Cada terminalidade oferece 40 vagas, sendo 20 para estudantes brasileiros e 20 para estrangeiros – totalizando 320 vagas.

Confira o cronograma abaixo:

Edital de mudança de curso tem 126 vagas

A Pró-Reitoria de Graduação da Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) publicou edital que trata do processo seletivo com 126 vagas para mudança de curso no âmbito das graduações presenciais ofertadas pela instituição nos campi da Liberdade e das Auroras e na Unidade Acadêmica dos Palmares, no Ceará, e no Campus dos Malês, na Bahia, para ingresso no semestre 2019.1 (maio).

O processo de seleção tem
validade exclusivamente para matrícula no semestre 2019.1. Poderão concorrer às
vagas ofertadas estudantes regularmente matriculados em cursos presenciais da
Unilab que atendam aos critérios de elegibilidade, como não estar no último semestre
do curso atual; ter status ativo no Sigaa; ter concluído todas as disciplinas
do Núclo Comum no curso de origem, entre outros.

O requerimento de inscrição
será admitido exclusivamente pelo e-mail [email protected],
assim como o preenchimento do formulário eletrônico no endereço http://www.unilab.edu.br/mudanca-curso/,
no período do dia 7 a 16 de março.

Unilab oferta 80 vagas para professores da Educação Básica

A Pró-Reitora de Graduação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Prograd/Unilab) torna público o processo seletivo para provimento de 80 vagas ociosas, destinadas a professores da educação básica, nos cursos presenciais de graduação.

As inscrições ocorrem de 7 a 16 de março, exclusivamente online, para ingresso no período letivo 2019.1 (maio) no Campus da Liberdade, Campus das Auroras e Unidade Acadêmica dos Palmares – Ceará, e no Campus dos Malês – Bahia.

O requerimento de inscrição será admitido exclusivamente por e-mail, assim como também o preenchimento do formulário eletrônico no link http://www.unilab.edu.br/educacaobasica/.

Será concedida bonificação de 10% sobre a nota final
nos seguintes casos: candidato sem graduação que atue como profissional da
Educação Básica e esteja vinculado às redes públicas de ensino das cidades de
São Francisco do Conde e de Candeias, cujas prefeituras firmaram,
anteriormente, convênio de cooperação técnica com a Unilab;

Candidato sem graduação que
atue como profissional da Educação Básica e esteja vinculado às redes públicas
de ensino das cidades que compõem o Maciço de Baturité (Acarape, Aracoiaba,
Aratuba, Baturité, Barreira, Baturité, Capistrano, Guaramiranga, Ocara, Pacoti,
Palmácia, Redenção e Itapiúna).

Unilab oferta 259 vagas para transferidos e graduados

A Pró-Reitora de Graduação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) lançou o edital que trata do processo seletivo para admissão de graduados e transferência de outra Instituição de Ensino Superior (IES).

Há 259 vagas nos cursos presenciais oferecidos pela Unilab para ingresso no período letivo 2019.1, nos Campi da Liberdade, Auroras e na Unidade Acadêmica dos Palmares, Ceará, e no Campus dos Malês, na Bahia.

Os candidatos à admissão de graduados precisam possuir diploma de graduação em curso reconhecido pelo MEC ou revalidado no Brasil, entre outros critérios constantes do edital. Os candidatos à transferência de outras instituições de ensino superior (IES) podem ser brasileiros natos ou naturalizados regularmente matriculados em curso de graduação reconhecidos pelo MEC ou candidatos estrangeiros oriundos dos países parceiros da Unilab, desde que atendam os pré-requisitos dispostos no edital.

O requerimento de inscrição será admitido exclusivamente pelo e-mail [email protected], assim como também o preenchimento do formulário eletrônico http://www.unilab.edu.br/admissao-graduados-transferidos-outras-ies/, de 7 a 16 de março.